O apresentador Emílio Surita, do “Pânico na TV”, defendeu o humorista Rafinho Bastos, da Band, que é investigado em um inquérito porque teria incitado e feito apologia ao estupro durante um show de stand-up. “Isso é um absurdo, o cara está tendo de se defender por ter feito uma piada”, disse Surita ao F5, da Folha Online.

Durante o show, o comediante do “CQC” e de “A Liga” disse a seguinte frase: “Toda mulher que eu vejo na rua reclamando que foi estuprada é feia pra caralho. Tá reclamando do quê? Deveria dar graças a Deus. Isso pra você não foi um crime, e sim uma oportunidade”. Bastos se defendeu, dizendo que se tratava de uma piada dita em “ambiente teatral” e não sua opinião.

O Ministério Público de São Paulo pediu abertura de inquérito policial contra Bastos, o que é um absurdo para Surita. “As pessoas podem dizer que gostaram ou não da piada, podem achar uma droga e sair do show. Mas daí a processar o cara por causa de uma piada? Onde isso vai chegar?”, questionou.

“As pessoas precisam entender que uma piada é só isso: uma piada. O que está acontecendo (no caso Bastos) é censura, e censura ao humor”, conclui.

Fonte: Correio.

Anúncios